Matéria sobre a expedição

10 11 2009

O Encontro dos Povos fará imagens e documentário sobre os impactos da Rodovia Interoceânica

Grupo que reúne diversos profissionais pretende observar o impacto sócio-econômico no Sul do Acre e no Peru, após a construção da estrada

No dia 27 de dezembro de 2009 um grupo de 15 pessoas que reúne cientista político, professor universitário, cinegrafista, cineasta, geógrafo, fotógrafo, jornalista e pessoal de apoio, parte da cidade de Brasília para percorrer a Rodovia Interoceânica até o litoral peruano nos portos de Matarani, Ilo e San Juan. Esta rodovia, em fase final de construção é um dos maiores desafios de engenharia interligando Brasil e Peru.

Mais do que uma viagem de conhecimento e aventura, a Expedição Interoceânica: “O Encontro dos Povos” pretende produzir um livro de fotografia e um documentário mostrando o desenvolvimento e o impacto desta grandiosa obra sobre as populações que vivem em seu entorno.

Carlos Santander um dos coordenadores do projeto e PHD em estudos sócio-políticos da América Latina explica como surgiu a idéia. “Estávamos acompanhando os avanços da estrada interoceânica e surgiu a idéia de realizarmos uma viagem ao Peru por esta rodovia e esta idéia foi se materializando a partir do momento que começamos a modelar o projeto, analisando a viabilidade, buscando parceiros e agregando outras pessoas que se interessaram pela aventura sócio-cultural.” , disse Santander.

Ainda segundo Santander, um dos objetivos da expedição é trazer várias pautas para discussão utilizando os materiais produzidos: na agenda social se destaca a idéia de que a a integração é cada vez mais uma realidade e uma necessidade; na agenda política é necessário discutir o papel e o envolvimento das instituições políticas a fim de eliminar os diversos impactos sociais negativos; já na agenda ambiental buscaremos destacar a transcendência do tema da preservação, que neste caso passou a ser uma preocupação binacional pela região de comum compartilhamento; na agenda econômica, ainda que se oferece para o Brasil a maior oportunidade no âmbito do comércio internacional, pelo que representa o mercado do Ásia Pacífico, chamar atenção sobre o Peru que virá a ser um parceiro estratégico no desenvolvimento do país. A expedição pretende, portanto, mostrar que é possível combinar aventura e responsabilidade social.

Desde o lançamento oficial da obra, em 2005, a Rodovia Interoceânica está cercada de expectativas e promessas de crescimento econômico, redução de custos de transporte para exportação de produtos, abertura de um novo canal de comércio com a Ásia e principalmente a melhoria de vida das populações da região. Só a parte peruana da obra tem 2.600 quilômetros saindo de Rio Branco, no Acre, cortando o Peru em direção aos portos no Oceano Pacífico.

Durante 30 dias os expedicionários pretendem percorrer a rodovia para conhecer a estrada, buscar depoimentos e informações sobre as pessoas que vivem às margens dela e também ver como a rodovia está mudando a vida e a rotina dos habitantes locais. Serão mais de 13 mil quilômetros percorridos neste período.

Todo material colhido durante a viagem, entre fotos, depoimentos e filmagens servirá de base para edição de um livro: “Interoceânica: O Encontro dos Povos”, que deverá ser lançado até a metade do mês de junho de 2010, e produção de um documentário para exibição em diversas esferas de governo, escolas, universidades, salas de cinema em diversos locais, além de palestras e encontros de discussão em centros acadêmicos.

Segundo o cineasta Peter Cordenonsi, responsável pelo documentário, a idéia é mostrar a América Latina para os latino-americanos. “A grande novidade deste documentário é que faremos, depois dos tradicionais eventos de lançamento no Brasil e Peru, uma nova expedição, uma expedição de exibição. A primeira será de captação e a segunda será de exibição. É importante mostrar o filme para seus próprios personagens. O cinema, infelizmente, está restrito aos grandes centros”, explica.

A expedição já conta com o apoio da Embaixada do Peru, da Andrade Gutierrez,, da Ford do Brasil , da Green Meeting, Unieuro e outros parceiros, empresas patrocinadoras, estão surgindo o que torna mais interessante a expedição, pois várias oportunidades se abrem na volta, com a produção do material videográfico, fotográfico e outros eventos que apresentarão esta especial aventura.

Sobre a Interoceânica

O Eixo Viário Interoceânico Sul tem uma extensão de 2.600 quilômetros só no Peru.

No lado brasileiro já existe uma rodovia de 4.345 quilômetros que vai da fronteira com Peru e Bolívia até Santos (SP). Segundo uma estimativa dos governos peruano e brasileiro, o projeto rodoviário terá impacto numa área que abrange 32% do Peru e beneficiará pelo menos 7 milhões de pessoas que vivem nas regiões de Madre de Dios, Cuzco, Puno, Arequipa, Apurímac, Ayacucho, Ica, Tacna, Moquegua, Loreto, San Martin, Ucayali, Huanuco e adjacências.

Ainda em outro levantamento feito pelo Governo do Acre, os cerca de 2 mil quilômetros de extensão da rodovia passam por pelo menos oito reservas florestais onde vivem cerca de 51 povos indígenas. Já existem registros da ação danosa de madeireiras clandestinas invadindo as reservas indígenas, também de conflitos entre fazendeiros, posseiros e garimpeiros. As polícias de cada país, bem como os órgãos de defesa estão preocupados com as questões de fronteira, com a possibilidade de uma nova rota de contrabando e tráfico e ainda e da exploração dos recursos naturais de forma ilegal .

Texto: Cláudia Sanz